BLOG


Informação de valor que gera resultado.




VOCÊ CONHECE SEU FORNECEDOR DE BOI MAGRO?

07/07/2021

Qualificação dos fornecedores

Você conhece os fornecedores de boi magro da sua propriedade? Fizemos uma análise criteriosa para que sua compra seja a mais rentável possível. Veja só:

Os gráficos acima comparam 3 fornecedores diferentes de um mesmo cliente GA, que foram avaliados pela homogeneidade dos lotes e a consistência de suas entregas. Para melhor entendimento do gráfico, entenda que quanto mais ao centro e mais à direita do círculo, melhor é o cenário. E quanto mais distante do centro e mais à esquerda, ou seja, mais próximo da borda, pior será o cenário.

Para minimizar variações de sazonalidade, diferenças de dieta e clima, analisamos um cliente e seus fornecedores em um curto espaço de tempo. Veja abaixo as conclusões:

Fornecedor 1 – Animais menos lucrativos, dispersão dos animais entre média a grande. Muito arriscado adquirir animais desse fornecedor. Nesta situação, o comprador deve pagar menos pelos animais para que esse risco seja “aceitável”.

Fornecedor 2 – Foi responsável pelo lote mais lucrativo, entretanto a maioria dos currais apresentou lucro menor e maior variabilidade de animais dentro do lote. Infelizmente esse fornecedor não tem constância nas entregas. Neste caso ele entregou um lote muito bom, mas não consegue ter constância nesse padrão.

Fornecedor 3 – É o mais previsível e eficiente, mostrando que vale a pena pagar um pouco mais por esse animal, pois a capacidade de gerar lucro no futuro tende a ser melhor.

Estratégia de apartação

Conhecer os custos, avaliar o potencial dos animais, utilizar estratégias de compras e conhecer seus fornecedores são passos para sucesso no processo de originação, porém de nada adianta fazer tudo isso e não realizar uma boa apartação dos animais no momento de entrada do confinamento. Vamos entender como utilizar isso ao seu favor.

Quando avaliamos os animais sabemos que, em teoria, lotes homogêneos são mais rentáveis, pois o manejo é mais preciso e eficiente. Dessa forma, os animais tendem a responder de maneira padronizada qualquer alteração de manejo, clima, dieta (com exceção logicamente dos refugos e adoentados).

Então, qual a melhor maneira de formar lotes homogêneos? Muita atenção nos diferentes pesos dentro da sua propriedade. Entenda quais são:

Peso do contrato ou Peso Financeiro – obtido no momento da compra dos animais. Na maioria das vezes é pesado no “balanção” e somado ao frete e comissão.

Peso zootécnico ou Peso de manejo de entrada – obtido pela pesagem individual (balancinha) ou pesagem em lote (“balanção”) quando os animais são pesados todos juntos no próprio caminhão.

Peso de produção ou peso real + econômico – obtido diariamente através das balanças de pesagem voluntária dentro dos currais de engorda. Permite saber quanto o animal está ganhando de peso em resposta ao manejo e dieta.

O peso de contrato é útil para a parte financeira, pois totalizará outros custos de frete e comissão, além do custo exato do animal pago pelo seu peso. A prática mais recomendada e feita por 67,7% dos clientes GA, é utilizar a balancinha no manejo de entrada, obtendo o peso individual dos animais.

Ao avaliar a base em 50% dos contratos, houve uma diferença entre peso de contrato e peso zootécnico de 16kg por animal. Se considerarmos um confinamento de 100 dias, isso representa uma diferença negativa de 160g por dia por animal. E em outros 25% dos contratos a diferença foi superior a 40kg, o que representa uma perda de 400g/dia (100 dias confinados).

Sabendo que o custo do boi magro + nutrição são representativos no custo total, fica claro a importância de se obter o peso individual dos animais (peso zootécnico) no momento de entrada de confinamento e, assim, evitar essas perdas na nutrição.

“Utilizar a balancinha e obter o peso individual dos animais potencializa as decisões de apartação.” Marcelo Ribas (Diretor Executivo da Intergado)

Teste de homogeneidade

Outro ponto importante é avaliar o quanto a variação dos animais (na entrada) influencia outros parâmetros como quantidade de @ produzidas, eficiência biológica, GMD e lucratividade. Sabemos que existem outras variáveis ao longo do processo que irão impactar a resposta zootécnica, mas o alerta que fica ao produtor é para trabalhar bem o manejo do confinamento, manter a operação de forma eficiente para que não tenha problemas, caso exista essa variação do lote.

Homogeneidade de peso x carcaça x exigência x ponto de abate

No gráfico acima, podemos ver que o coeficiente de variação (trata-se de uma medida de distribuição das probabilidades) dos animais tende a diminuir conforme aumenta os dias de cocho. Esse processo é natural devido a padronização e resposta do lote ao confinamento. Além disso, o mercado frigorífico exige essa uniformização dos lotes por questões comerciais.

Avaliamos o ganho de peso de cerca de 10 mil animais, utilizando o sistema de balanças eletrônicas voluntárias da Intergado, onde o animal é pesado automaticamente enquanto está bebendo água.

Pudemos observar que:

Coeficiente de variação baixo (lote homogêneo com animais muito similares em peso)
– Maior uniformização do lote com menos dias de cocho (melhores bonificações do frigorífico);
– Maior assertividade da exigência nutricional.

Coeficiente de variação alto (indicando animais diferentes no mesmo lote temos):
– Maior variação no GPD. Cada animal terá sua exigência nutricional, seu ponto de acabamento e, consequentemente, ponto de abate em dias diferentes.

Para acessar mais conteúdos como este, não deixe de participar do Circuito Pecuária de Alta Performance.

Saiba mais em: Circuito Pecuária de Alta Performance

Conteúdo e Estudos:

Marcelo Ribas (CEO Intergado)

Veterinário, doutor em Zootecnia e responsável pela área de pesquisa e inovação da Intergado.

Paulo Marcelo (CEO da GA)

Zootecnista, mestre em Produção Animal e pioneiro na aplicação da ciência de dados na pecuária.

Análises:

Time de Estatísticos e Cientistas de Dados GA e Intergado

Produção do conteúdo:

Milena Marzocchi (Analista de Negócios da GA)

Zootecnista, mestre em produção animal sustentável, especialista em marketing.